• Eleições 2016: cuidado com os sinais de alerta

     

    Existem várias mudanças para as eleições deste ano, para vereador e prefeito: tanto nas regras da campanha como nos anseios dos eleitores, cada vez mais distantes do universo político. Vamos ver algumas das principais mudanças:

    Rejeição aos políticos que estão aí

    As pesquisas tem mostrado uma crescente rejeição dos eleitores aos governantes atuais e

    aos políticos tradicionais. Segundo pesquisa Ibope, 22% dos eleitores pretendem escolher outro candidato e não reeleger os prefeito da sua cidade. Esse dado reforça o cenário contrário aos políticos atuais. É evidente que há exceções. Quando o governante consegue relevância na sua gestão, ele termina consolidando uma posição de quem sabe administrar.

    No geral, no entanto, a predisposição indica muito esforço dos pré-candidatos que pretender conquistar mentes e corações dos eleitores. Junto com outros fatores, como o tempo menor de campanha (ler abaixo), vai ter maiores condições de sair vitorioso em outubro os pré-candidatos que souberem ocupar desde já o espaço que está disponível legalmente.

     

    Partidos também tem rejeição

    O eleitor está tão desgostoso com os políticos que pesquisa mostram que entre cada 10 eleitores 7 não querem nenhuma relação com partido político. É verdade que nas eleições municipais os partidos ocupam o espaço de bastidor. O que vale são os candidatos e o seu passado de muitas realizações e zero de acusações de improbidade. No entanto, essa rejeição precisa ser levada em consideração no momento de se construir o cenário político local.

     

    Tempo de Campanha

    A minirreforma aprovada pelo Congresso reduziu o período de campanha pela metade: de 90 dias para 45 dias. Deve começar no dia 16 de agosto em vez de 06 de julho. Isso torna a pré-campanha mais importante ainda a partir desta eleição.

     

    Duração do Horário Gratuito

    Seguindo a mesma tônica,  a duração da propaganda eleitoral gratuita ficou também reduzida. Agora, no lugar de 45 dias,  serão apenas 35 dias. Isso significa que terá de trabalhar muito quem está fora do executivo municipal. No entanto, além de começar a pré-campanha mais cedo (início do ano), será preciso utilizar com precisão os canais que estão liberados para a pré-campanha.

     

    Importância da pré-campanha

    Este agora é o ponto chave da campanha. Será preciso utilizar com inteligência os meios de comunicação e da forma que a Justiça Eleitoral entende que é possível. E mais importante: começar o mais antecipado possível. Uma boa assessoria jurídica é indispensável – pode começar com  a do partido em que está inscrito – para não cometer deslizes eleitorais.

     

    Doação somente de pessoa física

    Esta foi outra mudança que veio através do STF para a eleição deste ano. Não é mais possível receber doações de empresas. Somente seus eleitores poderão contribuir com sua campanha.

    O objetivo do Supremo foi barrar a famosa Caixa 2. Outro ponto  importante também  é que agora a Justiça Eleitoral é quem vai definir os limites dos gastos de campanha, de acordo com a população das cidades. O TSE tem até o dia 05 de março para definir todas as regras para essas eleições.

     

    Mais candidatos na TV e no Rádio

    Hoje são 28 partidos, entre os 35, que tem direito a parcela do horário gratuito. Com essa perspectiva, deve aumentar o números de candidatos para prefeito e vereador.

     

    O jeito é focar na pré-campanha

    Aproveite o tempo até o início oficial da campanha em agosto, para discutir projetos para a sua cidade, os desafios, e se posicionar com autoridade e a relevância necessárias para conquistar eleitores – e manter os seus.

     

    O que isso tudo significa?

    Se você é pré-candidato, comece a pré-campanha o mais cedo possível.

    Use a rede social, seu site e blog para divulgar suas ideias.

    Faça reuniões com grupos que estejam ligados à sua atuação.

    O que você não pode dizer: pedir votos!

     

     

    edsonhigo@marketingpoliticointegrado.com.br

    http://www.marketingpoliticointegrado.com.br

     

  • O que ganha uma eleição

     

    Em julho, publiquei um artigo em que afirmava: “Marketeiro não ganha eleição”. O tema causou controvérsia, benéfica eu diria, porque ao final todos estavam de acordo com a constatação de que há o fator primordial para a vitória.

    Recupero os pontos principais daquele artigo

    Todos sabem que o candidato é quem ganha a eleição, com seu passado, seu desempenho, sua força política
    Pode-se dizer que compete ao consultor político evitar que erros sejam cometidos no transcorrer da campanha.  No entanto, há candidatos que não aceitam determinada indicação do consultor e com isso podem pôr tudo a perder. E então eles costumam afirmar que “a culpa pela derrota é do marqueteiro”. Pode até ser, mas geralmente foi porque ele, o candidato, ignorou determinada linha que deveria ter sido seguida,

    Há candidatos que confiam no consultor e quem ganha com isso é a campanha como um todo. Na última eleição para prefeito, fiz a campanha de um candidato em uma das dez maiores cidades de São Paulo. No início do horário eleitoral, ele tinha cerca de 15% das intenções de votos. Seu oponente, também um ex-prefeito, estava por volta de 45%. Conduzimos a campanha de forma a resgatar o passado de realizações que o nosso candidato deixara, como prefeito, 20 anos antes, e como deputado federal atuante.

    O oponente, embora estivesse bem na frente nas pesquisas, preferiu seguir a linha do ataque direto. Já vira esse filme várias vezes. Com as avaliações das pesquisas e a experiência de quase 30 anos de campanhas políticas, recomendei ficarmos longe da postura de revidar os ataques ou responder passivamente a todos eles. Era essa atitude que a campanha adversária esperava que adotássemos. Seguimos o que havíamos definido desde o início da campanha. Programas otimistas, mostrando a realidade dinâmica da cidade, cidadãos falando sobre benefícios que tiveram com a administração do nosso candidato. Na realidade, nós fizemos nossa pauta de programas e não nos desviamos dela. Em outras palavras, seguimos nossa agenda política e nossa estratégia de Marketing Político Integrado.

    Conseguimos finalizar o Primeiro Turno com cerca de 6% de diferença, atrás do outro candidato. E no Segundo Turno viramos, ganhando com aquela mesma diferença em porcentagem.

    Poucos acreditavam nesse resultado. Até a emissora afiliada da TV Globo, resolveu montar o link de transmissão no comitê político do oponente na noite da apuração do Segundo Turno. Perderam a festa do nosso candidato vitorioso, que avançou pela noite.

    O voto de confiança do nosso candidato foi importante para o sucesso da campanha. Ficamos sempre atrás nas pesquisas – mesmo assim ele nunca colocou em dúvida a estratégia que definimos e seguimos até o final do Segundo Turno.

    Quem ganhou a eleição foi o nosso candidato: pelo seu passado de realizações, por ser Ficha Limpa e, principalmente, pela confiança irrestrita que manteve na nossa direção da campanha eleitoral.

    O adendo que quero fazer tem a ver com a campanha negativa. Nem sempre ela pode ser considerada como inadequada. Depende da hora, do candidato e da dose certa. Em linhas gerais o melhor é seguir o caminho expositivo das qualidades dos candidato e das suas gestões. Mas se for escolhido o ataque, ele precisa ser certeiro, no momento certo e cercado de preparativos que somente a pesquisa qualitativa permite consolidar. Se for no Primeiro Turno, há um sério risco de que parte dos eleitores do candidato atacante mudem para o lado de outro candidato fora da contenda. Portanto, é uma decisão estratégica.

    edsonhigo@marketingpoliticointegrado.com.br

    http://marketingpoliticointegrado.com.br/ 

     

  • Se você só critica políticos, por que não se candidata?

     

    “Político não presta.”

    “Não conheço um político honesto.”

    “Todo político é ladrão.”

    Você já deve estar cansado de ouvir essas críticas – são tantas que já se tornaram lugar-comum.

    As pesquisas de opinião mostram que a classe política, o Congresso Nacional e o entorno estão na rabeira das listagens. Na pesquisa Datafolha de novembro, alguns dados foram sintomáticos. O desempenho do Congresso foi avaliado como um dos piores desde 1993, com 53% de ruim ou péssimo de avaliação. Outro dado inédito foi que, pela primeira vez, a corrupção foi indicada como o principal problema do país , com 34% – ou seja, um em cada três brasileiros. Em segundo lugar, lá atrás, vem a Saúde (16%).

    Há uma imagem generalizada antipolíticos.

    Claro que nenhuma generalização é justa. Se você tende a concordar com essas opiniões negativas, existe somente um caminho: você precisa se dispor a entrar no mundo da política e contribuir com seus valores morais elevados.

    A oportunidade está chegando. Em 2016, vão acontecer as eleições para prefeito e vereador.

    Que tal começar como vereador?

    Está certo, você deve estar se perguntando por que é comigo ou que diferença você poderia fazer.

    Existe uma fábula muito interessante que aborda esse tema.

    Conta que, em meio a um incêndio na floresta, um pequeno beija-flor foi visto fazendo inúmeras viagens entre um lago e o local do fogo.

    Paciente, carregava uma gotícula de água e a depositava entre as labaredas.

    Um urso vendo a cena chamou o beija-flor e perguntou-lhe:

    – Diga, pequeno colibri, você espera conter o incêndio com o seu gesto?

    – Não, amigo urso. Mas estou fazendo a minha parte!

    É esta a questão. Neste momento de transição, há forte tendência – como mostram cenários do passado – de renovação dos políticos.

    Como tenho alertado, existe também um risco de que aventureiros substituam-nos.

    Para que essa ameaça seja reduzida, é preciso que indivíduos que costumam torcer o nariz para o atual cenário se disponham a disputar um posto político.

    Falamos do cargo de vereador. É um bom início. O vereador está para a política assim como o kart está para a Fórmula 1. Airton Senna, o campeão inesquecível, dizia que devia toda sua habilidade ao volante para o período em que praticou nas pistas de kart no início de sua carreira.

    Talvez seja a campanha mais difícil. Muitos candidatos, pouca ajuda, muito trabalho, uma vitória distante.

    Esse desafio costuma motivar algumas pessoas.

    Comece agora. Não há tempo a perder. Você vai ter que centrar seu esforço tanto nas redes sociais como nos encontros corpo a corpo.

    Alguns pontos que você precisa cuidar e que foram publicados no post O Trabalho de Formiguinha (http://marketingpoliticointegrado.com.br/o-trabalho-de-formiguinha/ ).

    Candidato. Por que você quer ser candidato? Esta é uma pergunta importante, porque vai representar a motivação de levar adiante suas ações. E que ninguém se iluda: a campanha é um processo muito difícil e cheio de obstáculos. Em caso de dificuldade com relação a este item, o Coaching pode ser uma ajuda valiosa (veja mais em http://marketingpoliticointegrado.com.br/faca-o-coaching-fortalecer-a-sua-campanha/ )

    Redes Sociais. Comece a expor suas ideias no Facebook, no Twitter e no YouTube. É a partir desses contatos que na hora da eleição vem você poderá convertê-los em eleitores. Lembre-se de que você ainda não pode dizer que é candidato. Mas tem muito assunto para você comentar sobre sua região, sua área de atuação e sua cidade. Site e Blog são importantes para ajudar nessa comunicação via Internet. Planeje o Marketing de Conteúdo.

    Palestras e encontros. Monte sua agenda de encontros e palestras. Fale sobre os temas que lhe são familiares.

    Newsletter. Ative sua lista de e-mails. Publique uma newsletter quinzenal.

    Marketing Político Integrado. Contrate uma assessoria que conheça as áreas de atuação. Vai ajudar você cuidar das ações de forma estratégica.

    O seu trabalho é de formiguinha. Trabalhe para que de passo em passo você sedimente sua conquista de objetivo.

     

    edsonhigo@marketingpoliticointegrado.com.br

    http://marketingpoliticointegrado.com.br/  

     

     

     

  • Na Política, mentira pode ter pernas longas

     

    A mentira é um dos maiores problemas que se podem enfrentar. Se for político, precisa tomar ainda mais cuidado. Afinal, para quem tem visibilidade pública redobram-se as possibilidades de cobrança.

    Nem todos pensam assim. Há políticos que se importam apenas com o momento. Acabam se esquecendo da memória virtual que perpetua todos os desmandos – e também as boas ações – que são cometidos.

    A memória da Internet é implacável. Cometa um deslize – efakes pronto você pode ser desmascarado na hora – ou em pouco tempo – na Rede Social. Na Política, principalmente. Existem aqueles que usam os meios digitais para denegrir políticos, pessoas com presença pública. Geralmente se escondem atrás de perfis fakes e pensam estar assim protegidos. Ledo engano. Com os recursos tecnológicos à disposição, as autoridades policiais chegam facilmente ao computador de onde partiram as infâmias. Confie na Polícia Civil e Federal em caso de ser vítima de tais ataques.

    Quando o político diz coisas que estão além da sua capacidade, ou garantem o que não podem afiançar, acabam colocando a sua imagem política no fogo da rejeição.

    Há casos clássicos.

    Existem imagens arquivadas de políticos que negaram de pé junto e até choraram – alguns – quando foram veiculadas informações de suspeitas policiais ou judiciais, geralmente nos telejornais de maior audiência. Algum tempo depois, verificava-se que tudo não passara de um grande show de mentira deslavada. Os políticos-atores eram comprovadamente culpados. Mentiram mais uma vez – a última – para o seu eleitorado.

    Há também aqueles que juram não ter conta no exterior. Mas graças à eficiência da justiça de países de primeiro mundo acabam sendo processados com provas documentais. Alguns são inseridos nas listagens de procurados pela polícia internacional.

    É também por casos como esses que a classe política está com índices muito elevados de rejeição. O que não se deve generalizar: afinal, existem políticos dignos de confiança.

    O exemplo contrário também é digno de nota. Existem políticos que admitem os erros, assumem a culpa em público e podem ser até perdoados por seus eleitores. São casos mais frequentes nos Estados Unidos, Inglaterra e em países nórdicos.

    O que se pode aprender diante desses cenários, para quem é pré-candidato:

    1. Nunca minta. Quando prometer alguma obra, faça com a consciência de que vai realizá-la. Pode ser que as circunstâncias impeçam. Isso pode acontecer e você terá condições de explicar a real situação do que aconteceu.
    2. Seja você sempre. Com isso, você adotará ações que sabe serem possíveis.
    3. Tenha em mente o propósito de sua candidatura. Se for por motivo menor, ela pode minguar com o tempo. Campanha é um processo muito difícil.
    4. Para os pré-candidatos a vereador, seja simples. Trabalhe, trabalhe, trabalhe pela sua candidatura e a do prefeito da sua coligação. Traição é um pecado do tamanho da mentira.

    Edson Higo

     

    Veja mais posts no site www.marketingpoliticointegrado.com.br

     

  • Campeões de Ibope, campeões de votos?

    Esta é uma grande questão que pode mudar o cenário das eleições em 2016.

    Os partidos políticos procuram nomes que estejam na mente da população para lançá-los como candidatos na eleição do ano que vem. Tanto faz, para vereador ou prefeito. O motivo é simples: são grandes puxadores de votos que levam no vácuo outros candidatos proporcionais, garantindo uma bancada consistente.

    É claro que, em termos de recall, podem até assumir a dianteira nas pesquisas que sejam realizadas agora.

    A pergunta que surge naturalmente é até quando terão fôlego para resistir à dura jornada da campanha política, no caso da Prefeitura.

    Continue lendo