• Pré-campanha, aproveite os ventos favoráveis

    Os pressupostos que existem para a campanha eleitoral deste ano são radicais.

    Isso significa que alguns pontos podem ser favoráveis para poucos pré-candidatos e francamente desfavoráveis para outros. Já outros itens são desafiadores para todos os que vão concorrer em outubro.

    Este ano a campanha começa mais tarde. Oficialmente a largada deve acontecer somente em meados de agosto. Serão 45 dias de campanha contra 90 dias nas eleições passadas. É bom para quem está na frente e péssimo para quem ainda não é conhecido. Estamos falando aqui também do tempo das inserções políticas ao longo da programação diária das emissoras de TV e rádio. Isso pode fazer diferença.

    Da mesma forma, o horário gratuito na TV e no Rádio deve começar somente na segunda quinzena de agosto. Agora, são 35 dias – dez a menos que antes. Programas a menos podem fazer falta para quem ainda tem índice de conhecimento reduzido em relação ao candidato que está na ponta. Claro que para vereadores a diferença é menos impactante. Afinal, eles já têm pouco tempo de programa eleitoral e serão lançados numa verdadeira Torre de Babel da comunicação.

    E tem outra pedra no caminho de quem vai participar das eleições de 2016: as doações agora ficaram restritas a pessoas físicas; as empresas não podem mais doar oficialmente.

    Por causa desse cenário, algumas ações precisam ser iniciadas o quanto antes.

    Você pode estar se perguntando: esse não foi o tema também do último artigo postado?

    Quero responder com ênfase: é exatamente o mesmo tema. E isso tem um motivo muito sério. Vou insistir nessa tecla o quanto for possível.

    Aproveite o tempo da pré-campanha!

    O objetivo e o motivo

    O mais importante é definir que você quer ser candidato. Vereador ou prefeito? E também ter muito claro por que você quer ser eleito para esse cargo.

    Essa clareza para você mesmo vai ser fundamental no transcorrer da pré-campanha e da campanha. Você vai precisar dessa motivação presente o tempo todo.

    Campanha é uma operação muito difícil. Repleta de desafios diários. E agora, com o dinheiro de doação mais curto, com a limitação às pessoas físicas, será preciso mais paciência e criatividade.

    Aproveite bem o tempo

    A pré-campanha vai até meados de agosto, quando começa a campanha oficial.

    Esse período precisa ser bem aproveitado. Invista o seu tempo em reuniões com os seus eleitores e os que poderão vir a ser. Faça palestras. Escreva artigos.

    Ande, ande, ande. Ouça, ouça, ouça. Levante quais são as principais demandas. Fale sobre elas.

    A estratégia

    Consolide a sua estratégia. Quantos votos vai precisar? Qual a linha de corte no seu partido? Abra o mapa da sua cidade e marque: onde estão os seus eleitores, onde você está mais fraco, onde você precisa ter núcleos eleitorais, onde estão as suas lideranças comunitárias.

    As ações

    Defina como será sua agenda semanal. Vai começar por onde?

    Comece a conversar com as pessoas que vão estar na sua campanha a partir de agora e defina quem vai estar na equipe partir de julho.

    Uma assessoria jurídica é muito importante desde já, assim como uma consultoria de marketing político. Assim, você vai cometer menos erros.

     

    Redes Sociais

    O TSE permite há algum tempo que o pré-candidato comece a se mexer como pode e o quanto antes.

    A Rede Social está à disposição, através do Facebook, YouTube, Twitter, Blog, principalmente.

    No entanto, esta presença precisa ser planejada. Tanto o conteúdo como a periodicidade dos posts devem estar previstos.

    Tudo isso tem que funcionar em função da estratégia traçada.

    Dessa forma você vai construindo a sua plataforma para a campanha eleitoral. No momento certo,  você vai transformar os leads em eleitores e os curtidores em voluntários para a sua campanha. A sua relevância e autoridade já terão sido confirmadas na mente dos eleitores.

     

    edsonhigo@marketingpoliticointegrado.com.br

    //marketingpoliticointegrado.com.br