• Campeões de Ibope, campeões de votos?

    Esta é uma grande questão que pode mudar o cenário das eleições em 2016.

    Os partidos políticos procuram nomes que estejam na mente da população para lançá-los como candidatos na eleição do ano que vem. Tanto faz, para vereador ou prefeito. O motivo é simples: são grandes puxadores de votos que levam no vácuo outros candidatos proporcionais, garantindo uma bancada consistente.

    É claro que, em termos de recall, podem até assumir a dianteira nas pesquisas que sejam realizadas agora.

    A pergunta que surge naturalmente é até quando terão fôlego para resistir à dura jornada da campanha política, no caso da Prefeitura.

    Quando se trata da eleição proporcional, para as câmaras municipais, o nome conhecido representa muita vantagem para sair na frente e seguir assim até a hora da votação.

    Existem exemplos emblemáticos como o do humorista Tiririca e o do jornalista Celso Russomano.

    Russomano candidatou-se a prefeito em 2012, pelo PRB. Ficou na frente até às vésperas da eleição –  uma declaração mal formulada fez com que caísse nas pesquisas e nem conseguisse ir para o Segundo Turno, quando Fernando Haddad saiu vitorioso. No entanto, dois anos depois, em 2014, conseguiu o feito de se eleger para o Congresso, como o deputado federal mais votado do Brasil, com mais de 1,5 milhão de votos. Repetiu o candidato Eneas que, em 2002, depois de três candidaturas à presidência da República, se elegeu o deputado federal mais votado do Brasil e ainda levou junto mais 5 candidatos, pelo Prona.

    Esse é um dos motivos pelos quais os partidos tentam convencer apresentadores de TV e rádio para se filiarem e concorrerem a um cargo eletivo. O volume de votos que conseguem pode ajudar a fortalecer a bancada partidária na Câmara. Afinal, um prefeito depende de apoio majoritário para aprovar suas leis.

    Agora, faltando um ano para o início da campanha política, começa a se formar uma bateria de candidatos à Prefeitura de São Paulo. E já tem até dobradinha de famosos perante a opinião pública, caso do próprio Celso Russomano, que participa de programa na TV Record,  e do apresentador José Luiz Datena, que tem um programa policial na TV Bandeirantes.

    Com eles, o pelotão de frente de pré-candidatos reúne ainda Marta Suplicy, que saiu do PT e deve se filiar ao PSB; Paulo Skaf, do PMDB, que concorreu ao governo do Estado em 2014; o atual prefeito, Fernando Haddad, do PT; e Andrea Matarazzo, que pretende ser o candidato do PSDB, entre os principais.

    pesquisa prefeitura SP

    Numa campanha do porte da que será realizada em São Paulo, pertencer a um partido forte pode significar vantagem importante. Na hora de colocar a campanha na rua, ou conseguir nomes representativos nos bairros para concorrer como vereadores, ou ainda produzir ressonância nos canais de Mídia Social, os principais partidos largam na frente.

    Quem não tem esse apoio precisa fortalecer outros pontos, como a própria consultoria, para fazer uma campanha consistente a partir de uma cuidadosa Estratégia de Marketing Político Integrado.

    Embora seja ainda cedo para uma avaliação quantitativa, já foi divulgada a primeira pesquisa de intenção de voto com os prováveis pré-candidatos à Prefeitura paulistana.

    O interessante é que em todos os confrontos de Segundo Turno, Celso Russomano é indicado como ganhador. Fernando Haddad tem o índice de rejeição mais elevado, com 45%, e Marta Suplicy fica em segundo, com 30%.

    Mas não se pode esquecer que a eleição será realizada dentro de um ano. Até lá, muita água vai rolar.